Poema - A luz através da janela ( Sophia de la Martinières)

08:36:00


A Luz Através da Janela

Noite sem fim;

A escuridão é o mundo que conheço.
Pesado fardo
Nenhuma luz surge por trás das janelas

Dia suave,
A mão que se estende em meio à tristeza
Toca gentilmente,
Espalha o calor por toda a sala.

Horas do Crepúsculo;
As sombras em você, vem e vão.
Uma saudade secreta;
O coração fica mais sensível, e volta a bater.

Luz sem fim;
A escuridão era o mundo que eu conhecia
Queima e ilumina.
Cresce meu amor por você.


                                                                          

                                                                                           Sophia de la Martinières
                                                                                                        Julho de 1943 
                    
                                                                 Extraído do Livro "A Luz Através da Janela"   


Eu conheci esse poema quando li o livro “ A luz através da janela” (terá resenha em breve aqui).
Adorei o poema, assim como os outros que aparece no livro , e que também irei postar aqui em breve.
Espero que goste dele, assim como gostei.




Beijinhus e até a próxima...



SNOWHITE J.

You Might Also Like

0 comentários

Amazon

Amazon