CONHECENDO AUTORES: MACHADO DE ASSIS

23:27:00




Considero o Machado de Assis um dos meus autores favoritos. Tudo o que eu li dele, até agora, gostei. Começando por Dom Casmurro, meu queridinho, até Memórias Póstumas de Brás Cubas, que me fez ficar mais encantada. E nada mais justo do que conhecer um pouco mais sobre o autor.

Nome completo: Joaquim Maria Machado de Assis
Data de nascimento: 21 de junho de 1839
Local: Rio de Janeiro
Data da morte: 29 de setembro de 1908
Local: Rio de Janeiro
Profissão: Jornalista, Contista, Cronista, Romancista, Poeta e teatrólogo.
Gênero que escreve: Crônicas, romances, poemas, peças de teatro e contos.
Cônjuge: Carolina Augusta Xavier de Novais.

Machado é filho de operário, acabou perdendo sua mãe muito cedo, entre o final da infância e o começo da adolescência. Foi criado no morro do livramento. Não tendo meios regulares para cursos, estudou em escola pública, mesmo possuindo uma saúde frágil, epilético e gago, era autodidata. E com quase 15 anos, em 1854, publicou sua primeira obra, o soneto “À Ilma. Sra. D. P. J. A.”, no Periódico dos Pobres.

Em 1856, entrou para a Imprensa Nacional, como aprendiz de tipógrafo, e lá conheceu Manuel Antônio de Almeida, autor de Memórias de um Sargento de Milícias, que tornou-se seu protetor.

Já em 1858, era revisor e colaborador no Correio Mercantil e, em 1860, foi convidado para trabalhar na redação do Diário do Rio de Janeiro. Escrevia regularmente também para a revista O espelho, onde estreou como crítico teatral, a Semana Ilustrada e o Jornal das Famílias, no qual publicou a maioria contos.

Em 1862 era censor teatral, cargo não remunerado, mas que lhe dava ingresso livre nos teatros. Começou a colaborar em O Futuro, órgão dirigido por Faustino Xavier de Novais. Em 1876, foi nomeado ajudante do diretor de publicação do Diário Oficial.

De 1881 a 1897, publicou na Gazeta de Notícias crônicas, considerada as melhores de sua autoria. No mesmo ano, lançou o livro que deu uma nova direção na carreira literária de Machado, Memórias Póstumas de Brás Cubas, que foi publicado em folhetins.

Em 1889, foi promovido a diretor da Diretoria do Comércio no Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas.

Algumas obras publicadas
  • Papeis avulsos – 1882;
  • Memórias Póstumas de Brás Cubas – 1881;
  • Dom Casmurro – 1899;
  • Helena – 1876;
  • Esaú Jacó – 1904;
  • Histórias da meia-noite - 1896


Curiosidades
  • O primeiro livro publicado por Machado de Assis foi a tradução de Queda que as mulheres têm para os tolos, em 1861, impresso na tipografia de Paula Brito.
  • Machado de Assis casou-se com a irmã de Faustino, Carolina Augusta Xavier de Novais.
  • O primeiro romance do autor, Ressurreição, saiu em 1872.
  • Dom Casmurro foi publicado em 1899.
  • Em 1908,  publicou seu último romance, o Memorial de Aires.
  • O soneto Carolina foi uma homenagem à sua esposa quando faleceu, em 1904.
  • José Veríssimo, que dirigia a Revista Brasileira, em sua redação promoviam reuniões em que os intelectuais se identificaram com a ideia de Lúcio de Mendonça de criar uma Academia Brasileira de Letras. Desde o começo Machado apoiou a ideia, sempre comparecendo nas reuniões preparatórias e, no dia 28 de janeiro de 1897, quando se instalou a Academia, foi eleito presidente da instituição, cargo que ocupou até sua morte.
  • Machado de Assis é o fundador da cadeira nº 23, e escolheu o nome de José de Alencar para ser seu patrono.
  • O autor teve sua primeira publicação internacional em 1873.
  • As obras do autor foram traduzidas para o alemão, dinamarquês, holandês, árabe, polonês, romeno, sueco, theco e estoniano.
  • Ao total, ele escreveu 5 livros de poesia, 7 de contos, nove de teatro e 9 romances.
  • Sua imagem foi estampada na cédula de mil cruzados, que circulou entre 1987 e 1990.
  • Enquanto escrevia Memórias Póstumas de Brás Cubas, teve uma crise intestinal, com complicações para sua visão frágil. Os médicos recomendaram três meses de descanso em Petrópolis. Sem poder ler nem redigir, ditou grande parte do romance para a esposa, Carolina.
  • Machado de Assis é considerado um dos 100 maiores gênios da literatura, segundo o crítico norte-americano Harold Bloom.

E vocês, já leram algo do autor? Gosta de algum livro dele?



Beijos e até a próxima,
Jéssica Tolare


You Might Also Like

0 comentários

Amazon

Amazon